SIGA NAS REDES SOCIAIS
FACEBOOK  TWITTER  INSTAGRAM  
Untitled Page

ECONOMISTAS RESPONDEM A BOLSONARO: BRASIL NÃO ESTÁ QUEBRADO, MAS GOVERNO PRECISA FAZER ESCOLHAS

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados
O Brasil não quebrou. O País vive um momento econômico complicado e, em termos fiscais, há que de fato se ter muita responsabilidade. A dívida do país cresceu bastante, atinge níveis recordes e segue sendo uma das mais altas, senão a maior, entre países emergentes. Isso não é desculpa, contudo, para nada fazer. Esse discurso não serviu, por exemplo, para impedir o aporte bilionário de recursos na empresa estatal militar, Engeprom, ou a concessão de aumento salarial aos militares. Esse discurso também não tem sido suficiente para mobilizar o governo para realizar as reformas necessárias. Onde está a reforma administrativa? Onde estão as privatizações prometidas? E o anúncio de corte nos benefícios fiscais? Também é importante lembrar que o atraso na vacinação custa bastante, em termos financeiros, conta que um país quebrado não pode suportar. A cada 1 ponto percentual de PIB perdido por conta desse atraso, o governo deixa de arrecadar um montante próximo ao valor da privatização da Eletrobrás.
contador de visitas
BOLSONARO DIZ QUE CONVERSA COM GUEDES E BENTO SOBRE PREÇO DE COMBUSTÍVEIS E GÁS DE COZINHA
BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira ter conversado durante toda a semana com os ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, da Economia, Paulo Guedes, e da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, a respeito do preço dos combustíveis e do gás de cozinha. Durante transmissão semanal pelas redes sociais, Bolsonaro disse que o botijão de cozinha sai da refinaria a um custo de 38 reais, mas chega na "ponta da linha" a 80 reais em média, sendo que há lugares com o valor de 100 reais. O presidente afirmou, sem dar detalhes, que conversou também sobre a situação dos combustíveis. Bolsonaro disse ainda que, após conversar com Paulo Guedes, deve zerar a partir da próxima semana a tarifa de importação de pneus para os caminhoneiros, acrescentando que a categoria "passa dificuldades".